Se Jesus estivesse aqui, Ele participaria de uma igreja local?

Se Jesus estivesse no nosso tempo, ele inovaria nossas igrejas locais? Ou será que Ele sequer participaria de uma?

Em primeiro lugar, devemos lembrar que quando Jesus esteve aqui, ele buscou formar um modelo para mudanças.

“Pois desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou.” João 6:38

Ele inovou segundo a vontade do Pai.

Em segundo lugar, Jesus respeitou o tempo em que estava, ao mesmo tempo que corrigiu o que estava errado. O uso de parábolas, por exemplo, era algo bem peculiar da época.

Assim, se Jesus estivesse em nosso lugar hoje, ele conheceria o nosso tempo e como as pessoas são.

Vamos pensar em um aspecto da pós-modernidade: o individualismo. O relativismo pós-moderno orienta a existência de múltiplas verdades e, assim, cada um pode possuir a sua. Logo, o pensamento atual incentiva o individualismo. Mas, se você analisar bem, a maioria das pessoas encontra outras pessoas que concordam com as suas verdades e acaba vivendo dentro do que poderíamos chamar de micro comunidades.

A pós-modernidade formou uma sociedade composta de micro comunidades. Assim, no que tange a relacionamentos pessoais, seria correto afirmar que as pessoas se relacionam menos do que em outros tempos? Talvez e provavelmente, sim. No entanto, a maioria das pessoas do nosso tempo se relacionam mais de maneira não pessoal do que em qualquer outro tempo, por meio da virtualidade. Sendo assim, se o homem pós-moderno é individualista, ele não é, necessariamente, sozinho, apesar de poder sentir-se assim e ainda que muitos, de fato, o sejam. Em comparação com outros momentos, a humanidade diminuiu sua esfera de relacionamentos pessoais e aumentou sua gama de relacionamentos por meio da virtualidade.

Então se Jesus fosse aplicar alguma inovação neste tempo, ele teria que ter isso em mente.

Em terceiro lugar, se Jesus fosse pensar em alguma inovação nas igrejas locais, considerando a maneira de pensar do homem pós-moderno e a existência de múltiplas verdades, eu creio que ele atacaria, inicialmente, uma questão básica: SERÁ QUE É NECESSÁRIO PARTICIPAR DE UMA IGREJA LOCAL?

Num mundo de múltiplas verdades e micro comunidades, a ideia de uma comunidade mais ampla e composta por pessoas que não fazem parte do seu círculo de relacionamentos, faz com que a pergunta não seja tão básica assim.

Eu creio que Deus nos orienta a participar de uma igreja local, à luz dos ensinamentos do Novo Testamento, simplesmente para podermos imitar quem Ele é.

Reflita: se cremos em um Deus comunitário que nos chamou para ser a sua imagem, temos a necessidade de pertencer a uma comunidade de iguais.

O conceito mais simples de Trindade seria: um só Deus que existe em 3 pessoas iguais, mas com funções diferenciadas. Outrora já falamos que Trindade não é uma característica de Deus, Trindade é quem Ele é.

Assim, creio que se Jesus estivesse aqui hoje, Ele nos incentivaria a participar de uma igreja local, simplesmente porque não existe outra forma de nos assemelharmos a Deus.

Compare 3 possíveis comunidades atuais:

     A sociedade como um todo:

Ela Inclui salvos e não salvos, portanto, não é uma comunidade de iguais.

     A Igreja Universal (invisível que inclui todos os santos):

É invisível e não permite relacionamentos completos, já que inclui santos mortos e santos que estão tão distantes que se torna impossível sequer saber que eles existem.

Assim, replicar a ideia de inserção, pertencimento e comunhão na profundidade que a Trindade nos orienta, é impossível. Além disso, apesar de ser a base das igrejas locais, ela é vasta e ampla, não permitindo o cumprimento de todos os “uns aos outros” do N.T.

     O Casamento

Uma comunidade de iguais que, na opinião de muitos, é a melhor comunidade para replicar a Trindade. Mas que não permite uma variedade de novos entrantes, ou possibilidade de fazer discípulos de todas as nações, para cumprir completamente a ordenança de Mt 28.18-29, ou ainda, das vivências comunitárias do Novo Testamento, sobre uns aos outros. Além disso, nem todos são casados. Então, apesar de crer no casamento como melhor escola para ensinar sobre a Trindade, creio que para ser a escola perfeita, um casal precisa estar inserido em uma comunidade maior, no caso, a igreja local.

Quando me perguntam: por que devo participar de uma igreja local? Eu respondo: porque em última instância é a única maneira de replicar quem Deus é.

Se Jesus pertenceria a uma igreja local hoje? Para mim, sem dúvida. Mas ele ensinaria a busca por ser a imagem do Deus Trino, fortalecendo as famílias que a compõem, não perdendo o senso de pertencimento da igreja universal e conduzindo-a a se inserir dentro da sociedade de maneira relevante.

Acredito que todo aquele que crê em um Deus invisível e Trino deve expressar sua crença pertencendo a uma comunidade local. E esta é uma das características daquele que adota uma cosmovisão Trinitariana.